Previdência privada é a melhor opção para aposentadoria?

Todo mundo quer garantir um futuro mais tranquilo, mas é importante analisar todas as possibilidades para tomar a melhor decisão possível. Vamos falar sobre previdência privada?

Quando falamos de finanças pessoais, é inevitável pensar em maneiras de garantir um futuro mais tranquilo e sem dor de cabeça com dinheiro. Por mais que pareça um tema distante, a verdade é que começar a planejar a sua aposentadoria logo cedo vai te ajudar a atingir resultados melhores lá na frente.

Apesar da importância desse assunto, ainda é comum que as pessoas fiquem confusas sobre qual é a melhor opção de investimento para uma aposentadoria alinhada aos seus objetivos. Apesar de a previdência privada ser uma opção bastante procurada nesse sentido, existem muitos fatores que devem ser considerados na hora de tomar essa decisão, e isso varia de acordo com a situação de cada pessoa.

Infelizmente não vou conseguir te dar uma resposta definitiva sobre a previdência ser ou não a melhor de todas as opções para a sua aposentadoria, mas nesse texto vou falar um pouco mais sobre esse produto financeiro e também sobre o que você deve considerar para saber qual é a melhor opção para o seu próprio contexto.

Os custos da previdência privada

Quando você decide entrar em um plano de previdência privada, deve saber que dentro desse plano existe um fundo de investimento com suas particularidades. Ao seguir por esse caminho, existem três custos e taxas que precisam ser analisados para que você faça uma escolha consciente.

O primeiro desses custos é a chamada taxa de administração. Essa é a taxa do produto financeiro, o fundo do seu plano de previdência privada. Você não vai conseguir fugir dessa taxa em nenhum plano de previdência privada – ela sempre vai estar presente – mas não encare isso como um problema ou injustiça do plano. A taxa existe porque, do outro lado do investimento, existem pessoas trabalhando para gerir o fundo de investimento e tomar decisões que garantam a rentabilidade do produto, e esse trabalho precisa ser remunerado.

O segundo custo é conhecido no mercado como taxa de carregamento ou taxa de entrada. Essa é uma taxa definida pelo plano de previdência, ou seja, ela não é obrigatória e pode ser cobrada ou não pelo plano que você escolher. Ela é aplicada sobre o seu dinheiro no momento em que você faz um depósito financeiro no seu plano, comendo parte do dinheiro investido.

Por exemplo, se você investe R$100 mensalmente em um plano com taxa de carregamento de 5%, isso significa que apenas R$95 do dinheiro vai de fato entrar no fundo. Lembrando: essa taxa não é obrigatória. Embora alguns bancos cobrem taxas altíssimas (como 8% ou 9%), existem previdências privadas onde essa taxa nem mesmo é cobrada.

O terceiro custo a ser considerado é a taxa de saída. Assim como a taxa anterior come parte do seu dinheiro na entrada, essa aqui vai incidir no momento do resgate do seu dinheiro, descontando um percentual sobre o valor que você está retirando do fundo. A boa notícia é que essa taxa também não é obrigatória e, assim como a taxa de entrada, ela também pode ser zerada.

É muito importante que você estude e entenda completamente o contrato dos planos de previdência que estiver analisando. Apesar de as duas últimas taxas citadas não serem obrigatórias e existirem opções que não cobrem nenhuma das duas, também existem planos que vão aplicar ambas sobre o dinheiro que você está investindo.

Planos de previdência são vinculados a contratos chamados SUSEP (a sigla significa Superintendência de Seguros Privados), e nesse documento você confere todas as informações explicadas acima para entender de fato as condições de cada plano. Garanta que você tenha todas essas informações para que consiga entender se determinado plano de previdência privada é ou não uma boa opção para o que você está buscando.

Os benefícios da previdência privada

Acabei de falar sobre três custos envolvidos em um plano de previdência, mas calma que também existem pontos positivos. Agora vou apresentar três benefícios que acho muito interessantes nesse tipo de investimento.

O primeiro benefício dos planos de previdência privada é que eles oferecem a possibilidade de portabilidade. Assim como planos de celular, por exemplo, você também pode migrar sua previdência caso descubra que o plano atual é ruim ou tenha encontrado uma opção melhor.

Com a portabilidade você consegue fazer essa migração sem precisar resgatar todo o dinheiro investido, o que acabaria acarretando a cobrança de impostos e taxas, e assim você simplesmente troca o plano sem maiores preocupações.

O segundo benefício é um pouco mórbido mas deve ser considerado: os planos de previdência privada são o único tipo de investimento no Brasil que não entram no seu inventário em caso de morte.

Isso significa que você pode eleger a pessoa que quiser (não precisa nem mesmo ser algum familiar seu, é literalmente qualquer pessoa) para se tornar sua beneficiária e passar a receber o dinheiro da sua previdência privada caso algo aconteça com você.

Para outros tipos de investimento, o que acontece é que todo o dinheiro é resgatado e separado de acordo com todo o inventário e regras envolvidas no processo. Essa possibilidade da previdência privada permite que você tenha mais controle sobre esse plano de sucessão, algo interessante para quem se preocupa com algum dependente ou coisa do tipo.

O terceiro benefício que eu acho importante destacar é que os planos de previdência oferecem a possibilidade de definir resgates e aplicações recorrentes ao longo do tempo. Com essa facilidade você pode não só programar uma aplicação mensal sem ter que se preocupar em fazer TED ou coisa do tipo todo mês, como também definir que deseja ter algum tipo de renda após certo prazo.

Assim seu plano passa a te retornar um resgate mensal com base no dinheiro investido, uma facilidade que não é oferecida por outros tipos de investimento e ajuda você a fazer um planejamento para ter a segurança desse “salário” no futuro.

Existem outras opções para a aposentadoria

Deu para ver que a previdência privada tem tanto pontos positivos quanto negativos. Mesmo após considerar todas essas informações, é importante saber que existem ainda outras alternativas disponíveis para quem quer investir na aposentadoria.

Precisamos sempre ter em mente que a inflação é um fator que não deve ser esquecido. É praticamente impossível saber como a inflação vai se comportar durante o longo prazo, e ao investir na aposentadoria você deve se preocupar em garantir um rendimento no mínimo alinhado à inflação para que seu dinheiro não perca poder de compra ao longo do tempo.

Os fundos de previdência privada buscam manter um ritmo de crescimento financeiro que acompanhe a inflação e ainda ofereça algum ganho real sobre o valor investido, que é basicamente tudo o que rende acima da inflação no período do investimento.

Assim, vale a pena buscar outros tipos de investimento que ofereçam possibilidade de ganho real como alternativas para a previdência privada – e um dos mais conhecidos é o tesouro IPCA.

O IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) é um dos índices que calculam a inflação brasileira, e o tesouro IPCA é um tipo de investimento atrelado a esse índice. Isso significa que esse investimento vai render sempre o valor do índice e ainda adicionar alguma coisa adicional sobre isso.

Essa característica torna o Tesouro IPCA+ uma forma muito simples de investir para a sua aposentadoria garantindo um ganho real no longo prazo.

As opções de tesouro IPCA oferecem vencimentos longos, como 10, 20 ou 30 anos, e você pode avaliar esses prazos de acordo com seus próprios planos de aposentadoria. Por exemplo: se em 2020 você tem 30 anos e quer se aposentar aos 65, considere investir em papéis do Tesouro IPCA+ com vencimento em 35 anos. Se você quer se aposentar mais cedo ou mais tarde, isso é apenas um exemplo, então basta procurar opções com vencimentos diferentes e que se encaixem aos seus planos pessoais para a aposentadoria.


Enfim, a resposta para o título desse texto é uma clássica resposta de economistas: depende.

Considere todas as taxas envolvidas na previdência privada, todos os pontos positivos, pense na inflação, reflita sobre seus desejos pessoais e plano de vida, analise qual o potencial de ganho real do seu investimento e estude com cuidado as opções disponíveis.

A previdência privada pode sim ser um produto financeiro muito bom, mas também pode ser muito ruim, então tenha calma na hora de tomar a melhor decisão para garantir que você tenha mais segurança e tranquilidade no futuro.

Se você gostou desse texto, não deixe de acompanhar o blog da Provi para mais conteúdos importantes sobre finanças, carreira e desenvolvimento profissional. Estamos sempre trazendo artigos para ajudar você a transformar sua carreira e alavancar seu crescimento pessoal.

Nova call to action

Veja mais sobre o autor

Matheus Torrano

Apaixonado por criatividade e inovação, busco maneiras de tornar as vidas das pessoas mais felizes com o meu trabalho.