ProviHack4Good: uma maratona de tecnologia e impacto social

Veja tudo o que rolou no ProviHack4Good, um hackathon focado em usar conhecimento em tecnologia para promover impacto social em ONGs reais.

Depois do sucesso que foi a primeira edição do hackathon da Provi, o ProviHack Woman, é claro que a gente não podia deixar de repetir a dose e tentar fazer um evento ainda melhor que o primeiro. Assim surgiu o ProviHack4Good.

O que foi o ProviHack4Good

Realizado com o apoio da Atados, o ProviHack4Good foi uma maratona online de criação e inovação focada em solucionar desafios reais de ONGs que precisavam de suporte para resolver problemas de tecnologia. Cada equipe era constituída por profissionais formados ou com pelo menos 70% do curso concluído nas áreas Desenvolvimento Front e Back-end, Data Science e Analytics, UX/UI e Produto.

Entre os dias 20 e 30 de julho de 2021, os grupos participantes tiveram a oportunidade de receber mentorias de 34 profissionais referência no mercado para ajudar no desenvolvimento e prototipagem das soluções propostas.

Com uma agenda lotada para deixar o ritmo do hackathon acelerado desde o começo, a programação do ProviHack4Good contou com:

  • 20 de julho – Live de abertura oficial
  • 22 de julho – Anúncio dos desafios
  • 23 de julho – Palestra “Descobrindo problemas para apontar a solução”, com Natalie Nascimento
  • 24 de julho – Palestra “Da concepção a hipótese”, com Victor Hugo Ferreira Gonçalves
  • 25 de julho – Palestras “Codando uma solução de impacto”, com Dan Sabbagh, e “Pitch para produtos”, com Nathalia Arruda
  • 27 a 30 de julho – Semana de carreiras com painéis apresentados pela Captalys, JGP, Pipefy e Provi, e live de encerramento
  • 02 a 04 de agosto – Speed hiring para contratação dos talentos que se destacaram ao longo do hackathon

Ao final, além de potencializar o impacto social causado pelas ONGs apoiadas pelo evento, os participantes conquistaram um projeto real em tecnologia para seus portfólios pessoais e ainda tiveram a chance de apresentar seu trabalho para empresas com vagas abertas.

Impacto social desde o início

Se o primeiro hackathon da Provi já tinha o objetivo de incentivar e dar visibilidade para mulheres, grupo que ainda é minoria no mundo da tecnologia, a segunda edição não foi diferente.

Com mais de 800 pessoas inscritas e 140 pessoas selecionas, mais de 50% das pessoas que participaram faziam parte de grupos minoritários de todas as regiões do Brasil – diversidade que também é essencial para a riqueza de conhecimentos e influências aplicados nas soluções desenvolvidas ao longo do evento.

Juntando tanta gente boa assim, o resultado final foi impressionante: as equipes desenvolveram e apresentaram soluções para as 15 ONGs participantes, entre elas nomes como Lacrei, Ecopatas, Reciclázaro, Terra Doce Lar e Viver de Rir.

Vale lembrar que tudo isso só foi possível por conta da parceria da Atados, uma plataforma social que conecta pessoas e organizações para facilitar o engajamento em diversas possibilidades de voluntariado e que foi responsável pelo mapeamento das ONGs participantes

Muitos desafios, ainda mais aprendizados

Assim como em várias áreas de conhecimento, na tecnologia o aprendizado prático também é essencial para o desenvolvimento de novas habilidades profissionais e pessoais, e o que não faltou no ProviHack4Good foram chances para colocar a mão na massa.

Os vencedores foram selecionados por uma banca de 8 jurados e pela ONG que propôs cada desafio, considerando fatores como o engajamento do grupo, o entendimento do desafio, a aplicabilidade da solução proposta, e a apresentação durante o pitch do projeto.

Além de todo o aprendizado, networking e impacto social gerado ao longo do hackathon, os três grupos vencedores ganharam também um Echo Dot da Amazon e um mousepad gamer Speed Fortrek MPG-101 (1º lugar), uma base para notebook C3 Tech e um mousepad (2º lugar), e um mouse sem fio Logitech e um mousepad (3º lugar).

Ao final do evento, os grupos vencedores foram:

  1. Grupo 7 (ONG Musicoterapia), com uma solução para captação de recursos e relacionamento com os apoiadores da ONG.
  2. Grupo 2 (ONG UBB), com a criação de um site para reforçar a autoridade e posicionamento da ONG na sociedade.
  3. Grupo 15 (ONG Protea), com o desenvolvimento de um site interativo para auxiliar na captação de doadores para a organização.

Abrindo portas para o mercado de tecnologia

E não foram apenas as ONGs parceiras que se beneficiaram de toda essa maratona tecnológica: o ProviHack4Good contou com a participação de empresas como a Pipefy, a Captalys e a JGP que apresentaram painéis de conteúdo durante a semana de carreiras e também puderam preencher suas vagas abertas com as pessoas que mais se destacaram ao longo do evento.

Até o momento, mais de 50% dos participantes já agendaram entrevistas com as empresas parceiras, e as contratações também já começaram a acontecer! Ah, e as empresas ainda abriram mais vagas ao ver o potencial das pessoas, assim conseguiram recrutar profissionais que já mostraram sua determinação e habilidade na prática, e os participantes conseguiram e tão sonhada oportunidade na área de tecnologia.

Depoimentos de quem viveu essa experiência

Ninguém melhor do que quem viveu tudo isso na pele para falar um pouquinho sobre como foi o ProviHack4Good. Na verdade o que não falta é depoimento, como o da Patrícia Mello, o do Andrés Hernández, o do Bruno Senna e o do Matheus Marques, mas vale destacar dois que chamaram a atenção por aqui.

A Lais de Jesus é uma das pessoas que já foi contratada por conta do evento, e ela diz:

Obrigada pelas dicas, pelo empenho e noites mal dormidas para organizar o hackathon. Essa contratação chegou em uma ótima hora, vou poder ajudar meu pai numa cirurgia e ajudar a manter meu projeto social que apoia mulheres de comunidades vulneráveis.

A Carina Nishimura falou sobre a sua evolução pessoal ao longo do evento:

Esse evento me proporcionou tanta coisa boa… Quanto me inscrevi, estava com muita insegurança e me sentindo muito incapaz, mas o ProviHack4Good me fez acreditar mais em mim. Só de digitar essa mensagem me emociona. Parabéns pelo trabalho incrível!

A equipe de jurados também compartilhou as suas percepções, como Eduardo Silveira, da XP Inc.:

Tivemos a participação de ONGs voltadas a animais, a pessoas com doenças graves, ao atendimento social de pessoas moradoras de rua… Foram 15 maravilhosos temas, e 15 soluções excelentes que mereciam o prêmio já pela atitude do evento, e pelo acolhimento dos times do hackathon. Parabéns pela organização do evento. Já estou pronto para o próximo!

A jurada e venture builder, Simone Hipolito:

A maratona lançou força na aceleração da carreira tech para profissionais de Desenvolvimento Front e Back-end, Data Science e Analytics, UX/ UI e Produto. Os times desenvolveram soluções que podem ajudar a resolver problemas sociais e diminuir o abismo socioeconômico no país. Inovar é preciso, sigo colaborando com iniciativas que geram soluções reais e impacto positivo na sociedade.

E é claro que não dá pra deixar de fora o depoimento da Luiza Costa, Analista de Desenvolvimento de Carreira no time de Empregabilidade da Provi, mentora e organizadora do evento:

Um dos mais desafiadores eventos que já organizei e de longe, o que mais vi impacto na vida de cada pessoa.
Foi muito bacana estar perto, acompanhar a evolução e entregas. Bora pro próximo?!


Além de promover impacto social por meio de eventos como esse, a Provi também oferece soluções de crédito descomplicado como forma de ajudar quem precisa a mudar de vida com acesso à educação de qualidade. Se quiser saber como as soluções de pagamento da Provi podem ajudar no crescimento da sua escola ou infoproduto, entre em contato com a nossa equipe.

E se a sua empresa estiver em busca de profissionais promissores, fale com a gente pelo [email protected] para conhecer e se conectar com os participantes do ProviHack4Good e alunos de tecnologia que estão abertos para novas oportunidades.

New call-to-action

Veja mais sobre o autor

Provi