Storytelling: o que é, quais os elementos, como usar e exemplos

Saiba o que é storytelling e como você pode aplicar esse conceito na sua estratégia de comunicação para se destacar da concorrência.

Infoprodutores, escolas e outros tipos de negócios digitais sabem muito bem a importância de conquistar a atenção do público para ter sucesso nos negócios. Mas como fazer para se destacar em meio ao turbilhão de informações em que vivemos hoje em dia?

Uma ótima opção é usar o storytelling.

Calma que eu já explico o que essa palavra significa e como você pode usar técnicas de storytelling para reforçar a sua estratégia de comunicação com o público.

O que é storytelling?

Storytelling é a habilidade de contar histórias, criando uma narrativa envolvente para transmitir a mensagem desejada de maneira atrativa e eficaz.

O termo storytelling vem do inglês: story, que significa história, e tell, que significa contar. Por isso, pessoas que contam histórias são chamadas de storytellers, e elas são capazes de construir uma narrativa relevante para formar uma história com enredo, personagens e ambiente para passar uma mensagem central.

Da mesma forma que diretores de cinema usam o storytelling para produzir filmes marcantes e escritores para criar livros inesquecíveis, as marcas podem usar a mesma técnica para cativar e engajar o seu público.

Qual o objetivo do storytelling?

Como o próprio nome já diz, o objetivo do storytelling é contar uma história. De forma geral, no contexto da comunicação, esse objetivo é o de criar um vínculo emocional com o público de modo a ganhar a sua atenção, transmitir uma mensagem de forma eficaz e criar uma oportunidade de compra do seu produto ou serviço.

Esse objetivo principal só é possível se a estratégia de storytelling atingir outros quatro objetivos mais específicos: guiar o público por uma jornada, gerar identificação na história, despertar emoções no público e seduzir com a narrativa apresentada.

Guiar o público por uma jornada

Construir uma jornada não significa que você precisa sempre criar uma narrativa como aquelas que vemos em filmes e livros. Isso pode significar, também, simplesmente organizar suas ideias e apresentar de forma estruturada ao público.

Quer um exemplo? Pense em como Ted Mosby, personagem da série How I Met Your Mother, guiou seus filhos – e a audiência – por mais de 200 episódios em uma jornada para contar como conheceu a mãe deles.

Gerar identificação

Outro elemento importante do storytelling é gerar identificação no público, fazendo com que ele se coloque no centro daquela história e construa um vínculo poderoso com essa experiência.

Para exemplificar, posso falar da minha experiência como leitor da série Harry Potter. Eu comecei a ler o primeiro livro da série, Harry Potter e a Pedra Filosofal, quando eu tinha 11 anos de idade – a mesma idade do personagem principal. Isso fez com que eu me identificasse muito com o protagonista, criando uma conexão duradoura que faz com que eu me lembre da história até hoje, 17 anos depois de ter lido o livro pela primeira vez.

Despertar emoções

Gerar identificação é uma forma muito eficaz de despertar emoções no público, e esse também é um dos objetivos do storytelling.

Conseguir despertar o lado emocional com uma história bem contada é uma maneira de estreitar ainda mais o vínculo do público com aquela narrativa, o que cria uma experiência mais intensa e ainda mais marcante.

Para não faltar exemplo, é difícil falar com alguém que assistiu ao filme O Rei Leão e não tenha se emocionado quando o Mufasa é jogado de um penhasco pelo seu irmão Scar. Quem vê essa cena novamente nos dias de hoje provavelmente vai sentir a mesma indignação e tristeza como se fosse a primeira vez.

Seduzir

Com isso, chegamos ao objetivo final do storytelling que é o de seduzir ou conquistar público.

Assim como eu, jovem leitor, fui conquistado pela série Harry Potter, milhares de histórias foram criadas e contadas para transmitir as mais variadas mensagens – e as que conseguem seduzir o público são as mais bem sucedidas.

Quais os principais usos do storytelling?

O storytelling pode ser usado de diversas formas. Pensando no mercado de escolas, infoprodutores e negócios digitais, os principais usos são na produção de conteúdo, nas vendas, na consultoria e na educação.

Na produção de conteúdo

Talvez o uso mais comum do storytelling no mundo dos negócios atualmente, produzir conteúdo criando histórias envolventes é uma ótima forma de potencializar os resultados da sua estratégia de marketing.

Sabendo quem é o seu público você vai conseguir imaginar quais elementos usar para construir histórias com as quais as pessoas vão se identificar, e assim vai ser possível transmitir as suas mensagens de maneira muito mais persuasiva.

Investir na criação de conteúdo relevante, criativo e envolvente é essencial para destacar a sua marca da concorrência e conquistar o público.

Nas vendas

O storytelling também pode ser um grande aliado na hora de vender seus produtos ou serviços, já que é uma técnica que pode ser usada para mostrar a sua oferta de valor de maneira muito mais persuasiva ao potencial cliente.

Para aplicar o storytelling no seu processo de vendas, antes de mais nada é preciso conhecer e entender a pessoa com quem você está conversando. Quais são seus interesses, desejos e necessidades? Isso vai te dar contexto para criar uma narrativa relevante.

Depois, tenha clareza sobre os seus objetivos e sobre o produto ou serviço que está sendo oferecido, de forma que você tenha foco no que realmente importa ao construir o seu discurso.

Por fim, entenda o tempo disponível. Se você tem bastante tempo, aproveite isso ao seu favor, mas caso tenha, por exemplo, 15 minutos para uma conversa, garanta que consegue destacar os pontos principais para a sua venda dentro desse período.

Na consultoria

Consultores são figuras responsáveis por ajudar outros profissionais a identificar problemas, encontrar soluções e atingir resultados, ou seja, um trabalho feito lado a lado com outras pessoas.

Por isso, é importante que esse tipo de profissional consiga combinar a sua visão analítica e estratégica com uma boa capacidade de comunicação, garantindo que toda a equipe envolvida no projeto entenda a situação atual e onde desejam chegar.

Encontrar metáforas e relações entre os desafios profissionais e situações do cotidiano pode ser uma boa forma de fazer com que problemas complexos sejam compreendidos de maneira simples e direta, contribuindo para um resultado melhor ao final do trabalho de consultoria.

Na educação

Falando de storytelling é difícil não pensar em profissionais da educação. Quem já teve que encarar intermináveis horas de aula com um professor que não conseguia de jeito nenhum chamar a atenção dos estudantes sabe como transmitir informações de um jeito interessante faz a diferença.

Usando o inverso do exemplo acima, todo mundo tem aquele professor ou aquela professora que fazia a aula passar voando, além de apresentar todo o conteúdo de maneira fácil e didática, por mais complexo que fosse o assunto. Muitas vezes, esse tipo de profissional faz uso do storytelling para alcançar resultados assim.

Seja de qual área do conhecimento for, quando profissionais de educação aproximam conteúdos teóricos da realidade dos estudantes por meio do storytelling, não só o resultado final – ou seja, o aprendizado da turma – é otimizado, como também os estudantes criam um vínculo mais forte com aquele profissional, melhorando toda a experiência de aprendizagem.

Quais são os principais elementos do storytelling?

Se a ideia do storytelling é criar uma narrativa envolvente para qualquer mensagem que precisa ser transmitida, é claro que não existe uma fórmula mágica que funcione para todos os casos.

Ainda assim, é importante entender como os quatro elementos do storytelling se relacionam para que a narrativa final consiga alcançar bons resultados. São eles: mensagem, ambiente, personagem e conflito.

1. Mensagem

A mensagem é o ponto principal do storytelling. Ela é o objetivo pelo qual todo o discurso está sendo construído, e a mensagem precisa ser forte o suficiente não só para despertar o interesse do público como também para ficar marcada em sua memória.

2. Ambiente

O ambiente é o lugar em que a sua história acontece. Grandes escritores como Stephen King, por exemplo, investem muito esforço para criar descrições detalhadas dos ambientes de suas histórias, o que aumenta a imersão do público e seu envolvimento ao longo da narrativa.

3. Personagem

O personagem é a figura central da narrativa, sendo quem vai percorrer toda a jornada criada e agir como guia ou companheiro para o público ao longo da narrativa. Personagens marcantes comumente são aqueles que atingem em cheio um dos objetivos do storytelling: gerar identificação.

4. Conflito

Por fim, o conflito é o elemento que dá sentido à narrativa, é o que motiva o personagem a percorrer toda a sua jornada e chegar ao fim da história. Bons conflitos são aqueles que criam uma jornada difícil, mas alcançável, para o personagem conseguir atingir seus objetivos.

Como usar o storytelling?

Para aplicar o storytelling na sua estratégia de comunicação, é importante entender como os quatro elementos apresentados acima podem ser aplicados à sua realidade.

Tenha clareza dos seus objetivos para conseguir definir uma mensagem forte e alinhada ao seu negócio, construa um ambiente e um personagem com os quais seu público consiga se identificar e se relacionar para gerar uma boa conexão e, por fim, elabore um conflito que esteja presente no dia a dia dos seus potenciais consumidores para mostrar como seus desafios podem ser ultrapassados com a sua ajuda.

Como já falei antes, não existe uma fórmula mágica para colocar o storytelling em prática. Apesar disso, agora vamos conferir dois exemplos muito conhecidos sobre como estruturar uma boa narrativa que podem ser úteis como referências: o modelo da Pixar e a jornada do herói.

O storytelling Pixar

Mesmo que você não conheça a Pixar, é praticamente impossível não conhecer ao menos um dos seus filmes de enorme sucesso como Toy Story, Monstros S.A., Os Incríveis, Ratatouille, Procurando Nemo e por aí vai.

O estúdio de animação é reconhecido por criar histórias altamente atrativas, e isso se deve ao fato de uma aplicação excepcional de storytelling em suas produções.

Apesar do enorme trabalho e qualidade na criação visual dos seus filmes, a estrutura sobre a qual suas histórias são construídas pode ser entendida de forma razoavelmente simples, com apenas três grandes blocos: apresentação, jornada e mudança.

Apresentação

É o início da história, o famoso “era uma vez”. Nesse primeiro bloco, a Pixar apresenta os personagens da história e o ambiente em que tudo vai acontecer, e então alguma coisa desperta o conflito.

A jornada

O conflito é o gatilho para que a jornada da história comece. Ao longo da jornada, os personagens vão passar por diversas conquistas e dificuldades, o que vai transformar esse personagem até que o conflito seja resolvido.

A mudança

A mudança é o momento em que a história termina, e é quando vemos o personagem já com o conflito solucionado e agora vivendo uma realidade transformada por conta de tudo o que aconteceu ao longo da sua jornada.

O storytelling da jornada do herói

Outra estrutura muito conhecida de construção de histórias é a da jornada do herói, que pode ser vista como um detalhamento dos três grandes blocos apresentados no modelo da Pixar.

Na jornada do herói, podemos ver 12 etapas diferentes que costumam aparecer em narrativas famosas, conforme vemos a seguir.

O mundo comum

O mundo comum é onde acontece a apresentação do ambiente e do personagem, assim como na etapa de apresentação da Pixar. Nesse momento, todos os elementos necessários para gerar identificação com o público costumam ser apresentados.

O chamado à aventura

O chamado à aventura é o gatilho que dá início ao conflito que vamos acompanhar ao longo da história. Esse chamado faz com que o personagem sinta-se impelido a viver coisas novas e fora do seu ambiente.

A recusa ao chamado

A recusa ao chamado é um momento em que o personagem debate consigo mesmo sobre o que fazer: deixar tudo como está e não embarcar em uma nova aventura ou sair da sua zona de conforto e encarar o desafio.

O encontro com o mentor

O encontro com o mentor – que pode ser não apenas uma pessoa, como também um outro acontecimento – é o que motiva o personagem a tomar uma ação e encarar o conflito. Essa figura ou acontecimento soluciona o impasse do personagem para que ele inicie sua jornada.

A travessia do primeiro limiar

Esse é o primeiro contato do personagem com experiências desconhecidas, quando ele ainda está entendendo como se comportar e agir fora do seu ambiente normal.

Provas, aliados e inimigos

Ao longo dessa nova jornada, o personagem se vê encarando várias provas e inimigos diferentes, além de conquistar aliados no caminho. São esses elementos que vão preparando o personagem para solucionar desafios cada vez maiores ao longo da história.

Aproximação da caverna secreta

Esse é o momento de calmaria antes da tempestade. A aproximação da caverna secreta é quando o personagem faz algum tipo de pausa em sua jornada para refletir sobre as questões que o fizeram resistir na etapa de recusa ao chamado. Essa pausa também serve para reforçar a grandeza do próximo desafio, aumentando a tensão da história.

A provação

A provação é o grande desafio que o personagem vai enfrentar em sua jornada. Costuma ser um momento decisivo, uma batalha de vida ou morte, e é necessário que o personagem use tudo o que aprendeu e conquistou ao longo da jornada para superar essa barreira.

A recompensa

Após superar o maior desafio de todos na etapa de provação, agora o personagem conquistou aquilo que representa a recompensa por todo o seu esforço. Essa recompensa pode ou não ser um objeto físico, e é algo que representa a vitória conquistada.

O caminho de volta

Embora os grandes inimigos e desafios tenham passado, o personagem ainda precisa enfrentar o caminho de volta ao seu mundo inicial e refletir sobre todos os acontecimentos até ali.

A ressurreição

A ressurreição é o momento em que um novo desafio aparece quando tudo já parecia resolvido. É quando o grande inimigo volta e pega o personagem de surpresa e pode colocar tudo a perder, mas é também quando esse inimigo é derrotado de vez e o personagem renasce para uma nova vida.

O retorno com o elixir

Por fim, o retorno com o elixir é o momento em que o personagem se consagra como herói. É quando ele consegue voltar ao seu ambiente de origem carregando o símbolo de sua vitória após uma jornada tão difícil, resolvendo todos os problemas daquela história.

Exemplos de storytelling

Apesar de ser muito fácil encontrar bons exemplos de storytelling na literatura, no cinema e na televisão, aqui vão três exemplos de storytelling feitos com maestria por marcas que todo mundo conhece.

Google

O Google criou uma campanha para o Google Search, sua ferramenta de buscas, usando storytelling de maneira muito bem executada.

A campanha realizada na Índia é chamada Reunion (reunião, em português), e conta a história de como um senhor indiano consegue encontrar um amigo de infância com a ajuda das buscas do Google.

Esse exemplo mostra como uma marca pode se posicionar no cotidiano das pessoas, ajudando a resolver problemas ou trazer grandes benefícios de forma prática.

Volkswagen

A Kombi é um modelo de carro conhecido por todo o mundo, e a Volkswagen aproveitou o encerramento da sua produção para lançar uma campanha que conectava a história desse veículo com vidas reais.

O exemplo dessa campanha mostra como o storytelling pode ser usado para reforçar o vínculo emocional de uma marca com seus consumidores.

Airbnb

O último exemplo é do Airbnb com a sua campanha Airbnb Citizen (cidadão do Airbnb, em português), uma campanha criada para mostrar como a plataforma pode beneficiar não só viajantes como anfitriões, usando o exemplo real da Ana, anfitriã da cidade de Trancoso, na Bahia.

Nessa campanha, o Airbnb apresenta um personagem comum com o qual é possível criar uma conexão rápida, e mostra como esse personagem se relaciona com a marca no dia a dia e os benefícios que isso trouxe para a sua vida.

Conclusão

Quando bem utilizado, o storytelling é uma ferramenta poderosa para transmitir as mensagens da sua marca de forma envolvente e duradoura para o público.

Usar as técnicas de storytelling na sua comunicação é uma forma eficaz de estreitar o seu relacionamento com os consumidores e conseguir se destacar da concorrência, aumentando a sua presença de marca no mercado.

Se você é um infoprodutor, uma escola ou tem um negócio digital, além de reforçar a sua estratégia de comunicação com o uso do storytelling, você também pode contar com o apoio da Provi para alavancar os seus resultados.

Nossa solução de vendas completa permite que você aumente a sua receita com vendas incrementais e garanta uma experiência de compra otimizada aos seus clientes, impulsionando o crescimento do seu negócio. Para saber como podemos trabalhar juntos, entre em contato com a nossa equipe.

New call-to-action

Veja mais sobre o autor

Matheus Torrano

Apaixonado por criatividade e inovação, busco maneiras de tornar as vidas das pessoas mais felizes com o meu trabalho.